Rádio Germinal

OUÇA RÁDIO GERMINAL, clicando no player ou clicando aqui.

29 de dez de 2017

Em quarta temporada, 'Black Mirror' questiona relações humanas essenciais

Em quarta temporada, 'Black Mirror' questiona relações humanas essenciais


Luciana Coelho


























A atriz Letitia Wright em episódio da quarta temporada de "Black Mirror"


Qual o seu maior medo? Perder o filho? Ser perseguido e acossado? Se descobrir vigiado e ser punido por aquilo que julgava estar fazendo em privado? Ser manipulado pelos desígnios de outra pessoa? Ou nunca encontrar sua alma gêmea, fadado a um sem-fim de relações inócuas?
"Black Mirror", a série criada pelo britânico Charlie Brooker que questiona os reveses da nossa simbiótica relação com a tecnologia, volta à Netflix nesta sexta (29) com uma quarta temporada igualmente provocativa, embora menos ambiciosa e inspirada que as anteriores.
Se antes no centro da série estavam nosso comportamento como grupo e a relação com hardwares e softwares em si, a atenção, ao menos nos episódios mais bem sucedidos da nova leva, recai sobre as relações humanas essenciais (família, sexo, trabalho) e como as temos filtrado por meios nem sempre benignos.
O trunfo é "Arkangel", episódio dirigido por Jodie Foster, que já trabalhara atrás da câmera para a plataforma de streaming em dois episódios de "Orange is the New Black" e um da proscrita "House of Cards".
Na estreia da temporada, ela aborda o laço mãe e filha e o medo atávico que os pais têm de perder a prole, no sentido literal e figurado.
Após ver a filha pequena sumir em um parquinho, uma mãe (Rosemarie DeWitt) resolve oferecer a menina como cobaia para uma empresa de monitoramento parental. O produto em teste é um implante com um filtro similar ao que impede crianças de assistirem a programas inadequados para sua idade, mas que a poupa do mundo real.
Em "Hang the DJ", que evoca Smiths e faz lembrar o capítulo mais pop da temporada anterior, "San Junipero", um casal se submete a um aplicativo de namoro que dita do momento do primeiro encontro ao que comerão e o tempo de vida que terá o relacionamento, até que se ache o parceiro definitivo. Pode ser superlativo, mas não é nada tão diferente do que temos em curso.
No mais estrelado dos seguimentos, "USS Callister", um programador genial prende versões virtuais de seus afetos e desafetos em um jogo que emula o visual "Star Trek", no qual ele tem todos os poderes e glórias.
Jesse Plemons, Jimmi Simpson e Cristin Milioti, que nos últimos anos se destacaram como coadjuvantes em "Breaking Bad", "WestWorld" e "How I Met Your Mother", respectivamente, estão no elenco.
Os episódios não são aterradores como nas demais temporadas, talvez por tratarem mais de presenças do que de ausência; mais de relações comuns do que de pontos fora da curva.

Mesmo assim, continuam eficazes ao nos fazer questionar se temos usados a tecnologia para benefício nosso e de outras pessoas. É um bom jeito de encerrar este ano.
--------------
Publicação original:
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/lucianacoelho/2017/12/1946743-em-quarta-temporada-black-mirror-questiona-relacoes-humanas-essenciais.shtml?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=newsfolha 

Nenhum comentário: